Romã

Romã 2017-06-21T12:17:51+00:00

Project Description

RomãRomã – Características e Princípios Ativos

A romã é uma infrutescência da romãzeira (Punica granatum) uma planta que pertence à família das punicáceas. Acredita-se que esta planta é nativa e domesticada do Irão (antiga Pérsia) por volta de 2000 A.C. O seu interior é subdividido por finas películas, que formam pequenas sementes possuidoras de uma polpa comestível, no entanto, todas as suas partes (semente, suco, casca, folhas, flores, raízes) são aproveitáveis, ou seja possuem propriedades farmacológicas.

 A romã possui uma elevada quantidade de fitoquímicos, com destaque para antocianinas, ácido gálico, catequinas (poderosos antioxidantes), bem como outros nutrientes essenciais, como ferro, cálcio, cromo, cloro, cobre, magnésio, manganês, potássio, sódio, selénio, zinco, vitamina C, prolina, serotonina, valina e metionina.

Esta fruta possui uma forte ação antioxidante que ajuda a prevenir doenças cardíacas e a diminuir o mau colesterol, uma ação anti-inflamatória especialmente indicada para artrite reumatóide, doenças inflamatórias intestinais e da mucosa oral. Note que ao contrário do que acontece com alguns medicamentos anti-inflamatórios, a ingestão da romã não afecta a função cardiovascular.

Romã aberta

 

A romã tem também uma ação antibacteriana e anticancerígena (reduz a proliferação e crescimento celulares,

previne o cancro da próstata, boca, pele, mama, pulmões, cólon e sangue – leucemia).

Sabe-se ainda  que o consumo diário de 50ml de sumo de romã ajuda contra a hipertensão e aterosclerose, diminui a espessura da íntima média, além da redução da pressão arterial e da peroxidação lipídica, ou seja, a oxidação da gordura, gordura oxidada, exactamente o tipo de gordura que entope os vasos.