Refrigerantes de dieta com adoçantes artificiais e de controlo de pesoadoçante

Usar adoçantes artificiais (com zero hidratos de carbono, gorduras e proteínas) em vez de açúcar ou xarope de milho de alta frutose, parece contornar os problemas com peso ou diabetes.  O uso a longo prazo, porém, pode ser uma história diferente.

Até à data, o FDA aprovou o uso de cinco adoçantes artificiais. Grama por grama, cada um é muito mais doce do que o açúcar. Incluem:

  • aspartame (Equal ® , NutraSweet ® e outros), 180 vezes mais doce do que o açúcar
  • acesulfame-K (Sunett ® , Sweet One ® ), 200 vezes mais doce do que o açúcar
  • sacarina (adoçante ® , Necta Doce ® e outros), 300 vezes mais doce do que o açúcar
  • Sucralose (Splenda ® ), 600 vezes mais doce do que o açúcar
  • neotame (sem marca), de 7.000 a 13.000 vezes mais doce do que o açúcarEstévia

A estévia, um adoçante de baixa caloria natural, feita a partir de folhas de um arbusto que cresce na América do Sul e Central, ainda não foi avaliada pelo FDA.  Os seus fabricantes dizem que é seguro, no entanto o FDA não fez a sua própria avaliação de segurança, mas também não se opôs a estas conclusões de segurança, abrindo caminho para a incorporação da estévia em alimentos e bebidas. Este adoçante é cerca de 300 vezes mais doce que o açúcar.

São necessárias mais pesquisas para desvendar as implicações destes resultados dos adoçantes para o controlo de peso.

Embora os resultados científicos não sejam conclusivos, existe uma evidência preocupante – a utilização regular de adoçantes artificiais pode promover o ganho de peso. Devido a estes resultados sobre adoçantes artificiais, beber refrigerantes “diet” pode não ser o melhor substituto para beber refrigerante açucarado.